15 julho 2016

INTEGRAÇÃO

É talvez a maior “balela” dos actuais censores do politicamente correcto, ufanosamente defensores, ante a pilha de cadáveres que se vão acumulando na Europa, dos “valores da Europa” que dizem eles, com o ar mais sério, ser os da Revolução Francesa… como se a Europa tivesse nascido em finais do século XVIII, dos rios de sangue e assassinatos arbitrários que brotaram dos gritos de “liberdade, igualdade e fraternidade”.
A palavra integração provém do étimo latino “integrare”, “tornar inteiro, fazer um só”, algo que pressupõe, portanto, aceitação e partilha de valores.
Trata-se, assim de uma acção com o obectivo de constituir um todo, de completar um todo com as partes, fazendo com que alguém ou algo passe a pertencer a esse todo.
É assim impossível, integrar, quem se opõe – desde que aqui nasce, ou chega – aos valores das sociedades europeias que os acolhem. A Europa não possui os valores da Ásia ou África, nem deve ser fadada para nova Babel (quando essas mesmas pessoas tão acerrimamente defendem os valores, tantas vezes hostis aos da Europa, dessas paragens) o resto são cantigas ou contos de Hans Christian Andersen que tantos cegos insistem em ver o “rei vestido”. E não venham com a cantilena da xenofobia… estar atento é diferente de assobiar para o lado para defender o indefensável mas que parece bem…
Mas claro, o grande perigo disto é o crescimento do nacionalismo (os que defendem os valores da Europa tradicional, anterior a 1789). Não há paciência...

Etiquetas: , , ,