15 novembro 2007

PALAVRAS A RETER

Da contracapa do livro que ontem vos recomendei...
Entre todas as nações ocidentais, a França torna-se singular pelo número das suas leis "memorialistas". Desde a lei Gayssot, votada em 1990 para punir o negacionismo, o Parlamento promulgou de tempo a tempo leis relativas ao genocídio arménio, ao tráfico negreiro transatlântico e depois à colonização. Singular dispositivo legislativo, sem precedentes, que transforma os julgamentos históricos em delitos! Com objectivos certamente honrosos, os deputados abriram o que se revela ser uma terrível caixa de Pandora. Em breve assistiremos aos investigadores a escolherem os seus temas de investigação em função da sua inoquidade?
Como aqui chegamos? De que complexas transformações da memória nacional tal resultou? As democracias compassionais em que se transformaram as nossas sociedades quererão realmente um futuro ou a verdade será proclamada pelo Estado?
A comunidade dos historiadores comoveu-se legitimamente de tal situação. Assim René Rémond tomou a liderança de uma associação que reclama a abolição de todas as leis memorialistas.

Etiquetas: , , ,